Fourth Internat. Symposium in GIS / Spatial Analyses in Fishery and Aquatic Sciences

 

 

 

Realização

Internat. Fishery GIS Society Laquasig OADS

Patrocinadores

SEAP

Apoio

Univ. Santa Úrsula

 

 

 

O PROJETO

 

COORDENADOR DO PROJETO: Dr. Philip C. Scott - LAQUASIG / USU


A idéia do evento teve início no segundo semestre de 2007 na Universidade Santa Úrsula no laboratório LAQUASIG Coordenado pelo Dr. Philip Scott, orientador de mestrandos da Universidade. Dr. Philip já tinha participado do 3o Simpósio em Shangai em 2005, onde conheceu os organizadores Drs. Tom Nishida e Kiyoshi Itoh, do grupo de pesquisas Fisheries-Aquatic GIS Research Group, estabelecido em 1997. O grupo é uma organização sem fins lucrativos, localizada no Laboratório de Simulação Ambiental (ESL) Inc. Kawagoe, Saitama, Japão. Este Simpósio é realizado a uma vez a cada 3 anos em um continente diferente, o uso de geotecnologias aplicadas à Pesca, Ciências Aquáticas e Aqüicultura. Iniciou então intensa conversação entre Fisheries-Aquatic GIS Research Group, Universidade Santa Úrsula, o local onde seria realizado o evento e a OADS - Organização Ambiental para o Desenvolvimento Sustentável que iria captar recursos junta a SEAP e realizar assim, junto com a LAQUASIG o evento.

Levando-se em consideração que é de crescente importância que a Pesca e a Aqüicultura tem em fornecer alimentos para os seres humanos e o fato de que os recursos pesqueiros se esgotam a cada dia; o uso da terra torna-se cada dia mais caro e a população do Brasil está em expansão,

A aplicação de novas tecnologias como a geotecnologia e os Sistemas de Informação Geográfica – SIG’s tornam-se cada dia mais importante, auxiliando a análise e gestão do espaço ambiental e produtivo. Neste âmbito, é importante ressaltar, que segundo a FAO, em torno de 50% da produção aquática de alimentos hoje, vêm da Aqüicultura enquanto outros 50% é oriunda da Pesca. A gestão criteriosa e sustentável dos recursos pesqueiros marítimos bem como das áreas costeiras com potencial produtivo torna-se imperioso.

Para tanto, o uso de geotecnologia incluindo o uso de SIG’s tem sido instrumental e já se encontra incorporado nas metodologias de trabalho adotadas pela Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca (SEAP) dos últimos anos como evidenciado na implementação dos Planos Locais de Desenvolvimento da Maricultura (PLDM) e no Programa Nacional de Rastreamento de Embarcações Pesqueiras por Satélite (PREPS), dois projetos fundamentais para apoiar a gestão dos recursos pesqueiros e aqüícolas.

Ressaltamos que os SIG’s foram primeiramente utilizados por consultores em aqüicultura, para analisar o potencial produtivo de grandes regiões, mesmo de países inteiros, como o fez Kapetsky pela Food and Agriculture Organization (FAO) em 1988 para estimar o potencial de piscicultura interior em Gana, na África. Localizar áreas com bom potencial é uma ação estratégica facilitadora na determinação de políticas de desenvolvimento regional, inclusive as que facilitam o combate à fome e à pobreza. Nas disputadas regiões costeiras de todo mundo, o potencial da maricultura é uma alternativa sustentável de produção de alimentos capaz de gerar renda familiar, aliviando a pobreza, e colaborando com a conservação do meio ambiente.

O simpósio reuniu pela primeira vez na América Latina, diversos especialistas renomados, inclusive contribuintes dos technical reviews publicados pela FAO que discutiram em mesa redonda, uma nova vertente de abordagem ‘ecológica’ para a aqüicultura (Ecological Approach to Aquaculture - EAA) à moda da já conhecida abordagem ecológica para a Pesca, além do assunto ‘impactos das mudanças climáticas para a aqüicultura’.

O simpósio tradicionalmente mostra as experiências de diversos países na utilização de geotecnologias aplicadas à gestão de Pesca, dos Recursos Marinhos e na Aqüicultura, com exemplos de interesses para o Brasil, assim como foi apresentado por Portugal, Austrália e Canadá na edição de 2005 realizado em Xangai, China. Tratou-se de uma excelente oportunidade de reunir em solo nacional, pesquisadores, técnicos e especialistas de diversos países mostrando suas experiências no ramo, e uma oportunidade do Brasil mostrar seu progresso no setor com participação de experiências usando novas tecnologias para melhor gerenciar recursos pesqueiros e aquáticos.

Para sediar o evento, a proposta foi apresentada pelo Prof. Philip Conrad Scott do Laboratório de Aqüicultura e Sistemas de Informação Geográfica da Universidade Santa Úrsula no Rio de Janeiro em 2005 e foi uma de 11 recebidas e julgadas pelo comitê organizador – o Fishery-Aquatic GIS Research Group representado pelo Dr Kiyoshi Itoh e Dr Tom Nishida do Environmental Simulation Laboratory (ESL) em Saitama, Japão. A apresentação da proposta ao comitê contou com cartas de apoio de diversas instituições internacionais incluindo a FAO e nacionais como a AQUABIO e de maneira especialmente relevante da própria SEAP.

Analisando os objetivos dos simpósios passados verificamos que incluem os temas:

“SIG Software” - no 1o Simpósio realizado em 1999, onde o SIG estava se tornando uma ferramenta essencial para análises espaciais de dados de pesca e vários softwares de SIG estavam ainda em desenvolvimento ou sendo adaptado para estas análises,

“Análise Numérica Espacial” tema desenvolvido para o 2o simpósio em 2002, onde o desenvolvimento das análises espaciais quantitativas usando SIG para avaliação de estoques pesqueiros, estimativa de populações, geoestatistica, previsões, estimativa de contornos foi apresentado e, em 2005 três foram os temas do 3o simpósio - “SIG’s eficazes e de baixo custo para Pesca e Ciências Aquáticas”, “Modelagem Espacial de Estoques Pesqueiros” e “Gestão Espacial de Recursos Pesqueiros” foram o objeto das apresentações que mostraram gestores pesqueiros, não apenas em países desenvolvidos mas em países em vias de desenvolvimento que estão gradualmente adotando sistemas baseados em SIG, em conjunto com sistemas do tipo Vessel Monitoring Systems (VMS), satélites, diário de bordos eletrônicos, GPS etc., integrados em suas organizações para administrar os recursos pesqueiros.

Como resultado, estes tópicos tem sido extremamente úteis para pessoal administrativo do serviço público, gestores, engenheiros, desenvolvedores de softwares para SIG’s e VMS e naturalmente cientistas, facilitando a todos na troca de informações e experiências sobre os recentes avanços e tendências nas tecnologias.

Os temas sugeridos para 2008 incluíram:

• Mudanças Climáticas e suas consequências para a Pesca e Aqüicultura;
• Vessel Monitoring Systems e Gestão Pesqueira;
• SIG, Sensoriamento Remoto e mapeamento para uma Abordagem Ecológica para Aqüicultura;
• Desenvolvimento e Design de Áreas de Proteção Marinha;
• Tecnologias SIG para implementação de Planejamento Espacial Marinho;
• Tendências na Conservação Marinha;
• Diversidade nas Comunidades Aquáticas – Padrões e Avaliação;
• Desenvolvimento de Aplicações para representação em 3d e 4d.

Os temas acima, bem como os mencionados anteriormente para os simpósios já realizados foram inseridos na esfera de interesse de programas do Brasil como o REVIZEE e o REVIMAR e, portanto importantes para apreciação de pesquisadores brasileiros sobre iniciativas internacionais nesse âmbito, de modo a poder fazer parte de reflexões bem fundamentadas em reuniões futuras.

Neste Evento participaram 86 palestrantes incluindo sessão de poster, representando 22 países.


PREPARATIVOS

 

O Simpósio foi realizado entre os dias 25 a 29 de Agosto no prédio da pesquisa da Universidade Santa Úrsula, na Rua Farani, no 42, Botafogo, Rio de Janeiro. A chancelaria das Ursulinas disponibilizou parte do 1º andar, local do evento propriamente dito, com as seguintes dependências: Hall de Acesso, 3 salas (103 – Seção de Poster, 104 Comitê Organizador Internacional e 105 – Internet e Comitê Local – OADS), cozinha para suporte do coffee breack, Área de acesso ao auditório (local para inscrição, Demonstração de Programas – PC Demo e uma área reservada para a SEAP; banheiros, sala de projeção e o Auditório. Todas estas dependências foram adaptadas para o evento (limpeza, pintura e cabeamento elétrico compatível com o número de computadores a serem instalados.



 

Localização, sala de reunião, casarão - cocktail e layout


 

Sala 105 – Internet - lan-house e Organizador Local - OADS

Foi disponibilizados aos participantes 10 computadores com Windows e Office em inglês e português, todos ligado em rede à internet, para que os palestrantes pudessem se comunicar e preparar as suas palestras.


 

Sala de poster


 

Sala 104 – Comitê Organizador Internacional

Para o Comitê Organizador Internacional foi disponibilizado uma sala especial, com três computadores e um laptop, todos com Windows e Office em inglês, ligado em rede à internet, fax e telefone.


 

Hall do Auditório – Inscrição

No início e durante o evento os Participantes podiam se inscrever e pegar o material do evento além de obter todas as informações necessárias do evento (palestras, translados, etc.).


 

Hall do Auditório - Apresentação de software: PC Demo

Ficou à disposição 10 laptop (com Windows, Office – em inglês e português) para que àqueles inscritos no “PC Demo” pudessem apresentar seus software e trabalhos para os participantes.


 

Auditório

No auditório havia todas as facilidades: acesso à internet sem fio, dois data show, telão e a disposição das mesas e placas indicadoras de acordo com as exigências do Comitê Organizador Internacional.


 


PATROCINADORES

 

SEAP - Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca
USU - Universidade Santa Úrsula


EVENTO

 

Translados

Para a logística local foram utilizados dois veículos: um Santana Quantum de propriedade de Philip Scott para translados de congressistas: aeroporto / hotel / aeroporto, e um Fiat Uno alugado para transporte de equipamentos, material e logística durante o evento. Para o translado diário dos congressistas: Hotel / USU / Hotel foram alugados dois ônibus que faziam os seguintes trajetos: o primeiro ônibus buscava e levava os participantes dos Hotéis Atlântico Copa, Windsor Miramar e Augustus. O segundo ônibus buscava e levava os participantes hospedados nos Hotéis Plaza
Atlântico, Golden Tulip e Acapulco.


 

Coffee Break

O Coffee Break foi custeado pelos Organizadores Internacionais, sendo dois ao dia, um de manhã e outro no meio da tarde. Composto de bolos, sanduíches diversos, frutas, sucos naturais e café e chá.


 

Cocktail

O cocktail foi cortesia da Universidade Santa Úrsula, realizado no primeiro dia no “Casarão” na Rua Jornalista Orlando Dantas No 36, uma reunião de boas vindas a todos os participantes.


 

Jantar

O Comitê Organizador Internacional convidou a todos, no terceiro dia do evento, na Churrascaria Palace em Copacabana, uma grande confraternização com todos os participantes.


 

Abertura

Para a abertura a mesa foi composta pelo Dr. Tom Nishida, Dr. Kiyoshi Itoh (Organizadores Internacionais), Dra. Maria de Fátima (Chanceler das Ursulinas), Dr. Philip Scott e Msc. Claudio Michael Völcker (Organizador Local).


 

Apresentação dos Trabalhos - Palestras

Nos 5 dias do Simpósio foram apresentados 81 trabalhos. Estes estão disponíveis no menu DOWNLOAD. Foi disponibilizado espaço para a SEAP - Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca para os trabalhos do PDLM - Planos Locais de Desenvolvimento da Maricultura, para o Estado do Rio de Janeiro, organizado pelo Dr. Suplicy.

Áreas geográficas abordadas nas apresentações:

Brasil (12); Canada (3); França (2); Antártica (1); Camboja (1); Indinêsia (1); Kiribati (1); Nigéria (1); Portugal (1); Oceania (5); Mar Baltico (1); Oceano Índico (1); Estados Unidos (6); Japão (3); México (2); Austrália (1); Grécia (1); Itália (1); Mauretânia (1); Noruega (1); Taiwan (1); Golfo do México (2); Mar de Barents (1); Lago Victoria (1); Espanha (5); Inglaterra (3); Nova Zelândia (2); Belize (1); Índia (1); Kenya (1); Nova Caledônia (1); Filipinas (1); Tailândia (1); Mediterrâneo (2); Canal da Mancha (1); Golfo Pérsico (1).


 

Seção de Poster

17 pôsteres foram apresentados na sala 103, na 3ª e na 4ª-feira na parte da tarde.


 

PC Demo

Foram apresentados 12 trabalhos na Seção Demonstração em PC na 3ª e 4ª feira, na parte da tarde.


 

Mesa Redonda

A mesa redonda foi realizada na 6ª-feira à tarde, último ato antes do encerramento do simpósio. Teve como objetivo destacar os progressos realizados e a tendência em futuro próximo. Cada participante do grupo resumiu, após 20 minutos de apresentação e discussão, as tendências de uma das quatro áreas temáticas apresentadas durante as palestras ao longo do evento como: Sistemas em SIG; Abordagens ecológicas para a aqüicultura; abordagens ecológicas para a pesca; Gestão; e o Futuro do SIG.


 

Encerramento

No encerramento, Dr. Nishida, colocou que o “Fishery – Aquatic Research Group” iniciou em 1999 com pouco mais de 1000 membros e hoje conta com mais de 7000 pessoas cobrindo todos os aspectos (pesquisa, gestão e indústria) ao redor do mundo, propondo um novo nome: “International Fishery GIS Society”.

Destacou o trabalho do Comitê Organizador Local desde os preparativos e durante o evento. Ficou surpreso com a disponibilização do espaço, a receptividade e do funcionamento impecável dos equipamentos e a conectividade sem problemas com a internet.

Fez uma comparação dos três simpósioa que antecederam este evento, do I ao IV, um período de evolução e crescimento.

I nos Estados Unidos - não havia uma direção definida;
II na Inglaterra - encontrando direcionamento;
III na China - fixando direcionamento e,
IV no Brasil - direcionamento fixado.

Foram anotados neste evento os seguintes pontos:

• Perceptível uso de sensoriamento remoto em trabalhos sobre Oceano Pacífico;
• Variação na complexidade dos projetos apresentados;
• Variação na sofisticação do trabalho;
• Dominância do ArcView como ferramenta em SIG, também do Grass, Manifold, Idrisi, além de outros não identificados e o Marine Explorer;

• Disponibilidade de dados;
• Pouca concentração nos temas sociais ou econômicos;
• Pouca atenção à pesca esportiva e recreativa;
• Muito pouco sobre a pesca fluvial ou habitats fluviais;
• Nada de repovoamento;
• Pouco se discutiu sobre o benefício da ferramenta SIG;
• Uma considerável melhoria nos trabalhos apresentados.

Dr. Philip Scott proferiu as últimas palavras agradecendo a todos,terminando assim este evento.


 

 

© OADS - Organização Ambiental Para o Desenvolvimento Sustentável
Sede: Rua Edgard Coutens de Menezes, 47 - Pontinha, Araruama - RJ, CEP 28970-000
Telefone: (55 22) 2665-1200     E-mail: orgoads@gmail.com
Site desenvolvido por Kalai Agencia Digital - Ver. 1.3